Banhada pelos rios Cuiabá e Paraguai, Poconé é o principal acesso para a lendária estrada-parque Transpantaneira, porta de entrada para o Pantanal Mato-grossense. A via de terra, que termina em Porto Jofre (MS), tem 149 quilômetros de extensão salpicados por fazendas, pousadas rurais, pontes de madeira - são mais de cem - e muitos animais típicos. 
Transpantaneira: Ao longo da rodovia, fazendas e belos visuais -
Transpantaneira: Ao longo da rodovia, fazendas e belos visuais - Foto: Lucas Ninno - AGCOM

Cidade é a porta de entrada para o Pantanal Norte, habitat de jacarés, tuiuiús e onças-pintadas

A regra número um para quem viaja pela estrada é transitar em velocidade baixa. Os motivos são nobres: apreciar a paisagem de Cerrado e observar de pertinho as centenas de espécies de aves e de animais como veados, capivaras, jacarés, gaviões, garças, tamanduás e tuiuiús - ave símbolo do Pantanal que pode chegar a 1,50 metro de altura. De cabeça preta e corpo branco, chama a atenção pela "gravata" vermelha e pelo belíssimo voo. 

Ao todo, o Pantanal abriga 650 espécies de aves, mais de 200 de peixes e 80 de mamíferos.

A melhor época para desbravar a região é entre os meses de maio e setembro, período de seca, quando os bichos ficam próximos às lagoas formadas pelas águas dos rios, repletas de aguapés e de pescadores. Aproveite para se hospedar nos hotéis na beira da estrada ou passar o dia em algum deles. 

Em quase todos é possível fazer passeios de barco e de caminhão, além de curtir as trilhas e as cavalgadas para acompanhar espécies como araras, jacarés e tuiuiús, que ficam a poucos metros dos visitantes. 

O "pacote" costuma incluir também a focagem noturna, à bordo de caminhões ou picapes, que apresenta bichos que só "saem da toca" quando escurece. Muitas vezes, é a melhor hora para avistar famílias inteiras de lobos-guarás e as temidas onças-pintadas.

No Pantanal Mato Grosso Hotel, o day use inclui almoço típico pantaneiro (no buffet, peixes como pintado e pacu e a deliciosa farofa de banana da terra) e passeio de barco pelo rio Pixaim ao pôr do sol. Não raro, ainda é possível apreciar uma boa roda de viola regada a um exótico caldinho de piranha. Falando em passeio de barco, não deixe de cruzar as águas da região ao nascer do sol. O "bom dia" é dado por revoadas de andorinhas e de casais de papagaios, além de martins-pescadores, mutuns, garças, gaviões, araquans e carcarás, que dão ainda mais vida ao indescritível céu cor-de-rosa. 

Antes de pegar a estrada rumo ao Pantanal, circule pelo colorido centro histórico de Poconé, com casario colonial. E aproveite para degustar o saboroso bolinho de arroz, típico da cidade, feito com arroz socado no pilão, mandioca, açúcar, manteiga, coco ralado, leite e canela. Doce, remete aos bolinhos de chuva tradicionais do Sudeste.

No mês de junho, a cidade é uma festa só em comemoração ao dia de São Sebastião. Na programação estão as tradicionais Cavalhadas - encenações medievais com direito a armaduras e bandeiras coloridas - e apresentações dos Mascarados, grupo de dança folclórica com participação apenas de homens, que capricham nos passos e nos acessórios que cobrem todo o corpo.

Atenção: o fuso horário do Mato Grosso tem uma hora a menos em relação a Brasília. 

Mais informações sobre Poconé

DDD 65

Distância de Cuiabá
114 km - acesso pela MT-060

Pantanal Mato Grosso Hotel
Oferece day use com almoço e passeio de barco
Rodovia Transpantaneira, Km 65
Tel: 3614-7500

Atenção: ao longo da Transpantaneira (entre Poconé e Porto Jofre), não há postos de gasolina

http://www.pmpocone.com.br